sexta-feira, 31 de março de 2017

Mel, fubá e queijo

Bolso fraco e preços fortes são definitivas razões para cada vez menos se comer fora. O prazer sucumbe à saúde das finanças.

E como é bom redescobrir o regalo que é a cozinha doméstica entre amigos. O acolhimento de um risoto com carne assada, o abraço de uma pasta al dente com molho caseiro, o aconchego de um salame com vinho, a refrescância ácida de um ceviche de tilápia com frutas da estação, a potência rústica de uma vaca atolada, a simplicidade linda de um frango com quiabo, a perfeição trivial de uma omelete com queijo e tomate, a crepuscularidade sanjoanense de um bauru de lombo feito em chapa de quintal... 

Enfim: cerveja gelada, pão, azeite e sal. Nacos básicos de deleites.

Envelhecer é ficar mais chato, mais seleto, mais crítico. E nos meus firmes passos rumo ao cinquentenário tenho evitado algumas ciladas gastronômicas, principalmente aquelas que cobram muito por repastos medianos. Sazon de mais e alma de menos. Freezer em detrimento do frescor. Preocupação com marketing para mascarar o desgosto que sai das panelas.

Por que o paladar padronizado de rede se temos tantas alternativas, singelas ou sofisticadas, de cardápios autorais, de aromas artesanais?

Teorizo e devo praticar. Também por isso o restaurante Opção em Pinhal foi o eleito para o jantar dos meus 47 anos. Não que lá seja o lugar ideal para uma conta parcimoniosa. Não mesmo. Mas, se há verba extra para ocasiões especiais, o Opção é a opção cabal para se sensibilizar com o que vai à mesa. 

Alessandra Lourenço, a chef, já falei e repito, é dona de uma notável capacidade de cozinhar em altíssimo estilo. Pratos bonitos, elegantes, equilibrados. Pontos perfeitos de cocção. Ela tem o condão de mesclar harmonicamente sabores contrastantes. Alê nunca surfou nos modismos moleculares de espumas e fumaças, tampouco ousou além da medida só pra fazer barulho. O trabalho dela é assentado em pilares clássicos, na percepção lúcida de que é sobre a comida que os holofotes devem estar.

Aponto, ainda, o admirável apreço da jovem chef pelos ingredientes do entorno da aldeia. Nas suas obras culinárias há mel e fubá de fazendas pinhalenses, hortaliças de pequenos produtores locais, queijos do sul de Minas, entre vários itens nos quais caberia sem contestação o carimbo “terroir”. 

Tímida e gentil, Alê Lourenço circula no salão para colher as exclamações dos comensais. Sinto-a um pouco desconfortável nessa posição de relações públicas. Como também sinto, e aplaudo, a grandeza que é o seu apuro técnico comandando o fogão de uma das melhores casas de refeição da região.

Alessandra faz arte! Faz em Pinhal! E faz bem!

Nenhum comentário: